Olé Garrido, Bem Rouxinol.

No passado dia 19 foi levada a cabo no Campo Pequeno a novilhada de promoção de novos valores da festa. Cartel composto por Manuel Vacas de Carvalho, Luis Rouxinol Jr e pelos novilheiros José Garrido e Diogo Peseiro (aluno da Academia de Toureio do Campo Pequeno). 
Dos campos da Galeana vieram os novilhos. E pegaram os Amadores de Arruda dos Vinhos.

Saíram à arena Lisboeta seis Murteira Grave com peso, trapio e de apresentação ímpar.

Abriu a ‘noite’ Manuel Vacas de Carvalho frente a um novilho colaborante de 470kg. Noscompridos as coisas não correram, de todo, bem! Três compridos deixados fora do sitio, e ouviram-se justos assobios. Tentou emendar-se nos curtos, onde a irregularidade soou mais alto que a vontade de triunfar. Terminou a lide com dois violinos aplaudidos. Foi discreta a passagem do cavaleiro por Lisboa.

Ainda no toureio a cavalo, Luis Rouxinol Jr. que supostamente prestava prova de praticante, mas que por imposição do IGAC não foi possível, fechou a noite com um dos melhores novilhos. Novilho preto de 520kg, bravo e nobre. Rouxinol deixou três compridos de qualidade e ‘en su sitio’. Nos curtos ando desenvolto e a emoção chegou às bancadas. A ferragem foi deixada de forma correcta. Adornou-se, ladeou e foi aplaudido. Vibrou e fez vibrar. Terminou com uma rosa uma lide que, certamente, não se esquecerá tão depressa. Prestando ou não prova de praticante, passou com distinção esta ‘prova’ que é a arena do Campo Pequeno.

Pelos Amadores de Arruda dos Vinhos foram caras Bruno Silva e Rodolfo Costa que concretizaram ambas as pegas ao primeiro intento.

No toureio a pé, Diogo Peseiro toureou o 3o e 5o da noite. Esperava mais! No capote fez por baixar a cara aos novilhos, lanceou por verónicas, nem sempre terminadas. No tércio de bandarilhas as coisas correram bem, apesar de ter demorado algum o tempo o que não é benéfico nem para o novilho nem para o público, mas o público do campo pequeno gostou e aplaudiu. Peseiro adorna-se muito e isso é aplaudido. Às vezes parece que se dá mais importância ao que é acessório. Na muleta tinha vontade, mas as coisas nem sempre 
resultaram bonitas. Ficou novilho por ver, infelizmente. Fez por praticar um toureio variado, recebeu à porta gaiola; bandarilhou ‘al quiebro’; ao simular a estocada final ‘inspirou-se’ em Ivan Fandiño, mas foi apenas uma tentativa de imitação que demonstra as ganas do novilheiro e a vontade de chegar mais longe. Ambos os novilhos cumpriram bem a ‘função’. Acredito que não tenha sido a noite sonhada pelo aluno da Academia do Campo Pequeno. Fica para a próxima, Diogo!

Deixo para o fim o que, para mim, foi o melhor da noite: José Garrido. Natural de Badajoz e antigo aluno da escola de toureio de Badajoz, novilheiro com picadores e futura figura, segundo se diz. Com ele a história foi outra! Joga numa liga diferente! No primeiro recebeu por verónicas de eximia execução com técnica e temple, com classe e sentimento muito aplaudidas. Os de prata andaram bem no tércio de banadarilhas. Na muleta entendeu o novilho e mostrou o que o astado tinha de melhor. No segundo novilho, oh meus senhores, bordou toureio! Verónicas perfeitas, chicuelinas de fazer sonhar. Na muleta evidenciou um à vontade com a mão esquerda, viu-se novilho e toureiro. Mostrou-se ao oponente sem recorrer a adornos despropositados pois “El toreo no son gestos forzados; el arte brota de tu cuerpo, sin buscarlo”. Detentor de uma técnica invejável fez com que parecesse fácil. A faena foi brindada ao ganadero, Dr. Joaquim Grave, que o acompanhou na segunda volta ao ‘ruedo’.

Foram duas faenas de toureio puro, calmo e templado, onde entendeu bem o que tinha por diante. A aficion suspirou ‘olés’. Os aficionados do toureio a pé vibraram e aplaudiram de pé. 
Aqueles que sentiram, aqueles que sonharam, aqueles que vibraram, tão depressa não se esquecerão da noite de Garrido no Campo Pequeno. Torero! Torero! Torero!

Lisa Valadares Silva
TAG