Últimas Noticias

Campo Pequeno homenageia Mário Coelho.

O matador de toiros retirado Mário Coelha vai ser homenageado na próxima quinta-feira, no Campo Pequeno, sendo descerrada uma lápide de homenagem aos seus 60 anos de toureio, no átrio principal da praça.
Mário Coelho profissionalizou-se em 1955, como bandarilheiro, categoria na qual esteve integrado nas quadrilhas dos matadores portugueses Diamantino Vizeu, Manuel dos Santos, António dos Santos e José Júlio, ao passo que, em Espanha integrou as dos matadores Paco Corpas e Andrés Vazquez.
Quando actuava na quadrilha de Andrés Vazquez o seu nome era frequentemente impresso nos cartazes em caracteres iguais ou até superiores aos dos matadores, tal a notoriedade que atingiu como bandarilheiro, com triunfos nas principais praças espanholas e designadamente na de Madrid, na feira de Santo Isidro de 1966.
Fez uma curta carreira de novilheiro em 1967 e, a 25 de Julho desse ano, tomou a alternativa de matador de toiros, em Badajoz, com Júlio Aparício apadrinhando a cerimonia, que foi testemunhada por Manuel Cano “El Pireo”, lidando toiros de Sanchez Rico.
Confirmou a alternativa em Madrid, a 14 de Maio de 1980. Durante a sua carreira de matador de toiros triunfou quer em praças de Espanha, França e América Latina, como em Portugal até que se despediu do toureio a 20 de Setembro de 1990, numa corrida no Campo Pequeno.
Todavia, o seu conhecimento do toiro e a teia de relações de amizade e competência que soube construir ao longo da vida fizeram de Mário Coelho uma pessoa altamente respeitada por intelectuais como Ernest Hemingway ou Orson Wells, colegas de profissão e ganaderos, tendo também ajudado na formação de novos toureios, como foi o caso do matador Rui Bento.
Mário Coelho foi condecorado (grau de Comendador) com a Ordem de Mérito Cultural, em 1990 e Ordem de Mérito, em 2005, entregues respectivamente por Pedro Santana Lopes (Secretário de Estado da Cultura) e Jorge Sampaio (Presidente da República).
Mensagem mais recente Mensagem antiga Página inicial