35 anos de Alternativa de Paulo Caetano com lição de bem tourear.

A segunda corrida de toiros, de três, da feira da Moita foi de comemoração do 35º aniversário de alternativa de Paulo Caetano. O público preencheu ¾ de casa, aproximadamente e os exemplares da ganadaria Paulo Caetano não criaram grandes dificuldades aos toureiros.
Paulo Caetano deu uma ‘lição’ de bem tourear frente ao seu primeiro. Tudo resultou na perfeição. Nada foi esquecido e também esta lide nunca será esquecida. Desde a forma como recebeu o oponente, a maneira como cravou, sem falhas, e o modo como rematou as sortes. Marcou uma noite, marcou uma temporada. No segundo, deixou dois compridos de qualidade depois chamou à arena os seus alternantes para a restante lide.
Diego Ventura teve, talvez, a melhor prestação deste ano em Portugal frente ao seu segundo (e último da noite). A primeira lide não foi redonda e, apesar de dois ferros caídos, o público aplaudiu. Com o segundo tudo correu muito melhor, apesar de escassa transmissão do oponente. Pisou terrenos de compromisso, cravou com correcção e ladeou como dá gosto ver. De destaque o segundo curto. O público aplaudiu de pé.
Moura Caetano, apesar dos alternantes de peso, não se inibiu. Brega de grande qualidade frente a ambos os oponentes. No primeiro, detalhes que fazem a diferença, ferros de pura arte e emoção. No segundo, uma lide acertada e de ladeios na brega, terminou com dois aplaudidos palmitos.

A noite também foi do Aposento da Moita: seis toiros pegados à primeira tentativa! Olé rapazes! Foram caras e consumaram com galhardia e valentia Francisco Baltazar, José Broega, Martim Oliveira, Nuno Inácio, João Rodrigues e José Maria Bettencourt.
TAG