Luís Rouxinol: Regresso ao Campo Pequeno na corrida de Triunfadores "é motivo de orgulho".

Orgulhoso pelos seus triunfos de 20 de Julho e 18 de Agosto, no Campo Pequeno, o cavaleiro Luís Rouxinol considera que a sua terceira corrida nesta praça, na próxima quinta-feira, “é o reconhecimento desses triunfos, mas igualmente o reconhecimento por parte da empresa pelo facto de estar a comemorar 30 anos de alternativa”.
“Sinto-me muito feliz e orgulhoso, por estas três circunstâncias se terem conjugado”, acrescenta.
A 7 de Setembro, Luís Rouxinol lidará dois toiros da ganadaria Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas, a única ganadaria portuguesa de encaste Buendía-Santacoloma. Questionado sobre a “receita” para lidar com êxito este tipo de toiros, o cavaleiro afirma: “Penso que a receita é a mesma para lidar qualquer outro encaste. O importante mesmo é que o ingrediente principal, neste caso os toiros, saiam bem e proporcionem transmissão e emoção às bancadas. O resto, e da minha parte, será procurar praticar o meu toureio, arrimar-me, manter o toiro ligado nas montadas e ser eficaz na ferragem. Penso que isso é o fundamental para que as actuações funcionem”.
Em jeito de balanço da temporada, refere que esta tem sido marcada por alguns momentos especiais, como foi a sua encerrona ou a alternativa do seu filho, Luís Rouxinol Júnior (20 de Julho, no Campo Pequeno).
“A nível artístico julgo que tenho correspondido à expectativa de quem tem seguido a minha carreira ao longo destas três décadas. Tenho feito por manter o nível e a qualidade do meu trabalho, se bem que este ano me tenha faltado por vezes alguma sorte no sorteio e nem sempre tem sido possível desfrutar como gostaria”, diz e dá como exemplo o primeiro toiro do seu lote, na corrida de 18 de Agosto. “Mas penso que ainda assim eu soube dar a volta por cima, que na verdade, é o que um toureiro tem que saber fazer nessas circunstâncias”, acrescenta.
Na temporada em que comemora trinta anos de alternativa, expressa do seguinte modo a sua postura de figura do toureio: “Do Luís Rouxinol poderão continuar a esperar a mesma entrega e dedicação na arena com que sempre tenho saído em cada corrida e em cada praça. Não sei por mais quanto tempo isso irá acontecer, afinal trinta anos de alternativa já são qualquer coisa, mas enquanto aqui andar, será sempre essa a minha posição na Festa”.
Os toiros a lidar por Luís Rouxinol serão pegados pelo Grupo de Forcados amadores de Santarém, capitaneado por João Grave.
O cartel contempla ainda uma competição luso-espanhola através dos matadores de toiros Juan José Padilla, triunfador com saídas em ombros nas suas três presenças no Campo Pequeno e Manuel Dias Gomes, matador revelação da temporada de 2016, na Monumental de Lisboa, que lidarão 4 toiros da ganadaria Manuel Veiga, igualmente triunfadora em 2016, nesta praça.
Mensagem mais recente Mensagem antiga Página inicial