O que fica da Feira Anual de Vila Franca de Xira? - Carregar a Sorte

Post Top Ad

terça-feira, 11 de outubro de 2016

O que fica da Feira Anual de Vila Franca de Xira?

O que fica da Feira Anual de Vila Franca de Xira?
De domingo a terça-feira foram levadas a cabo duas corridas de toiros, verificando-se uma casa cheia na tradicional terça-feira nocturna e ¾ de casa na mista de domingo à tarde. As gentes foram aos toiros e só isso é uma aposta ganha.
Domingo Vila Franca vibrou com toureio a pé, vibrou com António João Ferreira que mostrou a sua raça, poderio e arte. Andou com suavidade e conquistou a Palha Blanco. De destaque também é a sua quadrilha composta por Pedro Paulino, Joaquim Oliveira e João Ferreira. Os dois exemplares de Falé Filipe foram enraçados e transmitiram.
Luís Rouxinol e Filipe Gonçalves estavam encarregues da parte a cavalo. Os exemplares de Passanha foram escassos em transmissão e um pouco reservados. Luís Rouxinol teve duas lides completas e correctas com a raça que lhe conhecemos. No segundo aguentou as investidas e deixou dois curtos de grande nota.
Filipe Gonçalves teve duas lides similares. Chegou com impacto às bancadas, apostando num toureio de batidas ao piton contrário. Uma passagem positiva por Vila Franca!
Vila Franca também vibra com as pegas e no domingo não foi diferente. Pelos da terra, Francisco Faria consumou à primeira com correcção e David Moreira, também à primeira, uma pega rija. Pelo Grupo de Coruche, Paulo Oliveira concretizou muito bem à primeira, e João Mesquita teve braços para aguentar os derrotes e consumou à segunda.

Terça-feira foi dia de ‘duelo’ de ganadarias: Palha vs. Canas Vigouroux. Três cavaleiros e o grupo da terra constituíram o cartel.
António Ribeiro Telles abriu a noite frente a um complicado Palha que prometia colher a cada momento. Assim encontram-se os toureiros. Ou melhor, não se encontram: filtram-se. Apesar de uma certa irregularidade terminou com um ferrão! Com o exemplar de Canas a irregularidade dissipou-se, com a elegância e classe que lhe é inerente, levou a cabo uma série de curtos exemplares.
Duarte Pinto teve uma passagem mais discreta mas correcta. Rubricou duas lides acertadas mas sem grandes destaques. Sendo de melhor nota a primeira lide.
Francisco Palha teve os melhores exemplares das ganadarias em duelo. Risco e entrega houve com fartura e só isso merece aplausos. A segunda lide foi, para mim, de maior destaque. Uma lide completa e com um excelente primeiro curto. Francisco Palha saiu de Vila Franca com o título de triunfador.
A terça-feira nocturna é sempre um hino à nobre arte de pegar toiros. O Grupo de Vila Franca pegou em solitário os seis toiros e não tiveram uma noite fácil. O cabo Ricardo Castelo abriu a noite com um pegão à primeira tentativa. Emanuel Matos em noite de despedida, exemplar primeiro ajuda, efectivou ao segundo intento uma pega para recordar. Francisco Faria efectivou uma pega rija à segunda tentativa. Vasco Pereira consumou à quarta. Seguiu-se Rui Godinho que efectivou com correcção à primeira. Marco Ventura dobrou o seu colega David Moreira, consumando à segunda tentativa.
Para o ano há mais!
Lisa Valadares Silva