Ganadaria Murteira Grave, sexta-feira, no Campo Pequeno

N°67 Parasita
A ganadaria Murteira Grave, uma das mais prestigiadas tanto a nível nacional como internacional, regressa esta sexta-feira ao Campo Pequeno, na corrida comemorativa dos 25 anos da TVI.

Fundada em 1944, estreou-se em Évora, a 29 de Junho de 1950, tendo como antiguidade a primeira vez que lidou em Madrid (21 de Junho de 1964). Madrid é, para esta ganadaria, uma das praças talismã e uma das que maior reconhecimento internacional lhe tem proporcionado.

Na sua génese, com pastagens na Herdade da Galeana (Mourão), estão 25 vacas e um semental, com o nome Fabeto, comprados por Manuel Joaquim Grave (avô do actual proprietário) a José Lacerda Pinto Barreiros. As reses ferravam-se nessa altura com o ferro G, inicial de Grave. De 1944 a 1955 a ganadaria anunciava-se com o nome do seu fundador. Entre 1955, ano em que Manuel Joaquim Grave morre, e 1958, a ganadaria anuncia-se em nome dos seus herdeiros.

Em 1958 passa definitivamente para o nome de Joaquim Manuel Murteira Grave, filho do fundador, que nesse mesmo ano compra o ferro actual (Espora) da Unión de Criadores de Toros de Lídia, que pertencia a Ignacio Sánchez Ibarguen.

Em 2002, Joaquim Manuel Murteira Grave faz partilhas e a ganadaria passa para o seu filho Joaquim Manuel de Vasconcellos e Sá Grave, actual representante e proprietário, que define assim a forma e os critérios de selecção.

“As tentas de fêmeas fazem-se, como em todo o mundo taurino, com tercio de varas e de muleta. O ganadero e só ele, decide se aprova ou rejeita a rês em função do seu comportamento e da suareata. O grau de exigência é alto. Mesmo que se procure, que sigam os enganos com investidas humilhadas e enraçadas, em nenhum momento se despreza a bravura em varas. São seleccionados os animais que tomam as varas sabendo ao que vão, e que empurram no peito metendo os rins e com a cara por baixo. Na muleta pede-se “fijeza”, capacidade para humilhar, recorrido e mobilidade, mas com transmissão, isto é, com capacidade de transmitir emoção nas suas investidas”.

E conclui Joaquim Grave: “A ganadaria é uma misturaparladeña com a base inicial da linha Gamero Cívico – Guardiola Soto e com aportações de sementais dos principais ramos de Parladé. Trata-se, pois, de um encaste próprio onde se procura manter um tipo de toiro sério e com trapio, com um comportamento bravo e encastado”.

Para lidar e pegar os “Murteira Grave”, estarão em praça os cavaleiros António Telles, Luís Rouxinol e João Moura Júnior e os grupos de forcados Amadores de Via Franca de Xira e do Aposento da Moita capitaneados, respectivamente por Ricardo Castelo e José Maria Bettencourt.

Sem comentários