Assembleia Municipal de Lisboa aprovou voto de pesar pela morte de Joaquim Bastinhas


A proposta do voto de pesar partiu dos grupos municipais do CDS, PSD e MPT.

A Assembleia Municipal de Lisboa, que se realizou esta tarde, aprovou pela quase totalidade dos deputados municipais, um voto de pesar pela morte do cavaleiro Joaquim Bastinhas.
Votaram a favor o CDS, o PSD, o PS, o PCP, o PPM, 1 deputado do MPT, 8 deputados Independentes, num total de 66 dos 75 deputados municipais. Abstiveram-se 1 deputado do MPT, 2 deputados do PEV e 3 deputados do BE. Votaram contra 2 deputados do PAN, 1 deputado Independente. 
A proposta partiu da ação conjunta do CDS, PSD e MPT que propuseram um voto de pesar onde se refere que "Joaquim Bastinhas era apelidado, muitas vezes, como o “toureiro do povo”. A empatia que gerava com as bancadas, a alegria que transmitia em cada um dos momentos e a forma como chegava aos milhares de pessoas que o seguiam, notabilizou-o de forma ímpar.
França, México, Venezuela, Grécia, ou Macau, para além de Portugal e Espanha, vibraram, com o mágico momento do “par de bandarilhas” que Joaquim Bastinhas, como nenhum outro, celebrizou e eternizou na memória coletiva."
É ainda destacada a grande ligação de Joaquim Bastinhas com a praça de toiros de Lisboa, tendo este um "percurso centrado em Lisboa onde Joaquim Bastinhas se torna o cavaleiro de alternativa a somar mais actuações na arena do Campo Pequeno: 115 espetáculos, 104 como profissional e 11 como amador e praticante."
Este é mais um importante reconhecimento social da obra e legado de Mestre Joaquim Bastinhas, depois da aprovação de similares votos de pesar na Assembleia da República e várias autarquias. 
Joaquim Bastinhas faleceu um Lisboa, no dia 31 de Janeiro, no Hospital da Cruz Vermelha, vítima de uma infeção hospitalar, depois de uma operação. 
Foto créditos Wikipedia. 

TAG