Miguel Moura: Tourear é uma razão de vida.

O cavaleiro Miguel Moura, uma das presenças na corrida de homenagem à Região Autónoma dos Açores, a 11 de Julho, no Campo Pequeno, considera que, para si, “o toureio é uma razão de vida”.
“Ser cavaleiro tauromáquico, é uma forma de exprimir a relação que venho construindo em interacção com este mundo maravilhoso, com esta trilogia Campo-Cavalo-Toiro” sublinha o mais novo dos “Mouras”.
Miguel Moura assume plenamente que os fundamentos do seu toureio são profundamente influenciados pelo estilo de seu pai, João Moura, embora afirme também que procura incutir um cunho pessoal na sua forma de tourear.
Nesta corrida virá a Lisboa alternar com Ana Batista, Filipe Gonçalves, Tiago Pamplona (cavaleiro açoriano que confirma a alternativa nesta data), Manuel Ribeiro Telles e João Salgueiro da Costa, na lide de toiros de Jorge de Carvalho.
A corrida possui ainda outro aliciante: a competição entre os grupos de forcados Amadores da Tertulia Tauromáquica Terceirense e Amadores do Ramo Grande, respectivamente capitaneados por João Pedro Ávila e Manuel Pires, e os Amadores de Beja, capitaneados por Miguel Sampaio.
Antes da corrida, exibir-se-á a Marcha dos Veteranos da Ilha Terceira e, durante a corrida actuará a Banda da Sociedade Filarmónica Rainha Santa Isabel, sob a batuta do Maestro Durval Festa.

carregar a sorte